WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são
da autoria do CDFF 

Eventos

Mês da mulher 2020:

Debate, workshop, feira, música, desporto, cinema, exposição, poesia, teatro, dança e muito mais

Programa do Mês da Mulher 2020

Campeonato de futebol:

“Unidos Contra a Violência Sexual”

Vamos falar de aborto!

(mesa redonda)

Mulheres Jovens sob Ataque (debate)

V Conferência Nacional da Rapariga

Marcha pela liberdade de expressão

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para descarregar a brochura (em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

 

Breves

28 de Maio: pela saúde das mulheres

28
Mai
2020

Comemora-se hoje o Dia Internacional de Acção Pela Saúde das Mulheres e a Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos lança a este propósito um comunicado que se reproduz a seguir na íntegra.

Comunicado de imprensa

por ocasião do Dia Internacional de Acção pela Saúde da Mulher

 

A 28 de Maio comemora-se o Dia Internacional de Acção pela Saúde da Mulher sob o lema “ A Saúde das Mulheres é Essencial”.

Nesta data se juntam diferentes iniciativas em diferentes partes do mundo no sentido de se sensibilizar e mobilizar os diversos sectores da sociedade (dos governos, da mídia e de várias Organizações da Sociedade Civil) para a construção de uma forte opinião pública visando a questão da saúde das mulheres e raparigas.

Moçambique é um país onde um pouco mais da metade da população é feminina (Censo populacional 2017). Apesar dos esforços envidados pelos diferentes sectores, a mortalidade materna continua elevada, o racio de mortalidade materna (expressa pelo número de óbitos maternos por 100 000 nascidos vivos) passou de 975 em 1997, e mantendo-se estagnada em 408 de 2003 para 2011, enquanto 452 mortes maternas por 100.000 nados vivos foram encontradas, no censo 2017, o que continua a colocar Moçambique dentre os países onde as mulheres têm elevado risco de morte por causas relacionadas com a gravidez, o parto e o puerpério. O aborto inseguro tem um papel preponderante para estas mortes e sequelas, até mesmo irreversíveis. Os desafios ligados à saúde das mulheres têm uma multiplicidade e complexidade de factores sociais, normativos, estruturais e económicos que ocorrem em todas as fases da vida das mulheres moçambicanas, que se traduzem numa deficiente implementação dos diferentes programas sectoriais que visam a melhoria da sua saúde e qualidade de vida.

  • Uma em cada 10 moçambicanas foi mãe antes dos 15 anos. Moçambique é o quinto dos 40 países a nível mundial onde mais de 20 por cento das mulheres entre os 20 e os 24 anos dizem ter tido um filho antes dos 18 anos (FNUAP, 2013). A gravidez precoce tem efeitos negativos sobre a saúde, a educação e os direitos das raparigas, impedindo-as de “conseguirem atingir o seu pleno potencial”.
  • Existem 4.4 milhões de raparigas em Moçambique e 46% destas raparigas de 15-19 anos foram mães ou estavam grávidas pela primeira vez (IMASIDA, 2015); 48% casou -se antes dos 18 anos (IDS, 2011); 24% das mortes maternas ocorrem entre mulheres neste grupo etário, e apenas 18% das meninas frequentam o ensino secundário.
  • Em Moçambique 9 em cada 10 meninas ingressam ao ensino primário, contudo somente 1.5 de cada 10 raparigas ingressam para o ensino secundário, sendo que entre as principais causas de desistência escolar está a gravidez precoce, que perfaz cerca de 9300 casos por ano. Mas também desistências escolares ligadas aos desafios da higiene saúde e gestão menstrual, uniões prematuras e forçadas, tabus, mitos e discriminação, aliados à falta de informação sobre sexualidade e saúde sexual e reprodutiva no geral.
  • No país ocorrem anualmente entre 2000 a 2500 fístulas obstétricas, que resultam das complicações obstétricas evitáveis.
  • Outro dado são o de partos ocorridos em unidades sanitárias, no total 54.8%, sendo 81,8% urbano e 44,5% rural, revelando as assimetrias no acesso aos serviços básicos, associadas às desigualdades de género. É nas áreas rurais onde ocorrem mais casos de uniões prematuras e forçadas, de desistências escolares das raparigas onde o acesso à água potável é deficitário, condicionando deste modo a sobrevivência das famílias.
  • Nas mulheres em idade reprodutiva 15-45 anos, o uso de contraceptivos também ainda não responde às necessidades das mulheres: somente cerca de 1 em cada 10 mulheres vivendo em união e 3 em cada 10 mulheres solteiras sexualmente activas usam algum método moderno de contracepção. Esta situação agravou-se entre 2003 e 2011, com a diminuição da prevalência do uso de contraceptivos (de 14% a 12%) e o aumento do nível de necessidades não satisfeitas em contraceptivos (a percentagem de mulheres que não gostariam de engravidar, mas não usam nenhum método contraceptivo) de 18% a 29%.
  • A violência baseada no género é um dos males que mais afecta este grupo, e uma em cada três mulheres entre os 15-49 anos relata ter sofrido violência física desde os 15 anos, referindo o marido ou parceiro íntimo como o autor em 62% destes casos, e 12% das mulheres relata ter sofrido violência sexual desde os 15 anos de idade. Isto tem efeitos marcantes na saúde das mulheres, mas o silêncio e ainda fraca existência de serviços de saúde adequados, impede o acesso aos cuidados adequados e de qualidade.
  • A pandemia COVID-19 traz desafios sem precedentes que ameaçam um declínio nos ganhos de desenvolvimento de muitos países. Isto inclui avanços feitos na área de saúde e direitos sexuais e reprodutivos.

 

Perante estes desafios, numa altura em que os governos em todo o mundo, realocam os seus recursos e prioridades para responder a COVID-19, a Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos insta o Governo e todos os sectores da sociedade a investir mais na saúde das mulheres, incluindo na saúde sexual e reprodutiva, focalizando o acesso ao aborto seguro, a contracepção, na qualidade da educação, informação e formas de prevenção da violência com base no género, programas que terão um papel chave na melhoria do futuro deste grupo

Apelamos ao respeito dos compromissos assumidos nacional e internacionalmente contribuindo, assim, para a plena participação das mulheres e raparigas no desenvolvimento global, em particular no nosso País.

Maputo, 28 de Maio de 2020

Para mais informções contacte, a Rede DSR através de :

  • Ivone Zilhão- Pathfinder – 822945136
  • Maira Domingos – Fórum Mulher – 84 0485483
  • Nelson Matola – AMMCJ – 828545450

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisa

Novidades

Postal da WLSA desejando feliz 2020 Paz, justiça e igualdade! 16 dias de Activismo Contra a Violência do Género 2019

16 dias de Activismo Contra a Violência de Género 2019

Relatório sobre as eleições

Campanha CEDAW

 

Novos livros

Mulher e democracia: indo além das quotas

capa do livro

Silenciando a discriminação

Capa do livro

Corporações económicas e expropriação

Capa do livro  

Chega! - Junt@s Podemos Acabar com a Violência contra Mulheres e Raparigas

Convite para campanha contra a violência sexual

Campanha UDHINDO:

setacinza Moatize: Sociedade Civil lança campanha pelos direitos humanos e meio ambiente

setacinza Manifesto da Campanha

setacinza Comunicado de Imprensa


A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores
Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos publicados em "Outras Vozes" (entre 2002 e 2015).
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique