WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são
da autoria do CDFF 

Eventos

16 Dias de Activismo Contra a Violência de Género 2020:

Mês da mulher 2020:

Debate, workshop, feira, música, desporto, cinema, exposição, poesia, teatro, dança e muito mais

Programa do Mês da Mulher 2020

Campeonato de futebol:

“Unidos Contra a Violência Sexual”

Vamos falar de aborto!

(mesa redonda)

Mulheres Jovens sob Ataque (debate)

V Conferência Nacional da Rapariga

Marcha pela liberdade de expressão

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para descarregar a brochura (em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

 

Breves

A deriva autoritária da governação por consenso

12
Fev
2022

A autora deste texto de opinião questiona a decisão de alterar o programa de educação sexual na escola, justificada por “consultas” a pais e encarregados de educação.

Esta semana fomos surpreendidas com declarações gravadas em vídeo de um alto quadro do Ministério de Educação (MEDH), que nos informava que iriam proceder a mudanças relativamente aos conteúdos do actual manual de educação sexual da 7ª classe, de 2004. Segundo ele, fazem muitas consultas e buscam consensos, tendo percebido que os seguintes conteúdos eram repugnantes para os pais e encarregados de educação: a masturbação e a homossexualidade. Assim, a parte referente a estes assuntos será eliminada na próxima impressão do material, tendo entretanto os professores sido instruídos a deixá-los de lado.

Parece simples e democrático: ouvem-se as pessoas e decide-se como avançar. Aliás, o pronunciamento é feito num tom singelo, “honesto” e transparente. Só que não! Esta é uma maneira demagógica e enganosa de “ouvir” os cidadãos e de respeitar a democracia. A governação não se faz por consensos, mas no respeito dos direitos humanos, dos compromissos democráticos, da transparência e prestação de contas.

Esta é uma litania que nós, como activistas sociais, temos ouvido vezes e vezes sem conta: exige-se uma lei da família que respeite a igualdade de direitos entre homens e mulheres para honrar os compromissos assumidos pelo Estado moçambicano com a sua Constituição e outros instrumentos regionais e internacionais ratificados? Resposta: temos que escutar o que dizem as pessoas para ver se concordam. Por exemplo, para a aprovação da Lei da Família de 2004, fizeram-se “consultas” a polígamos para saber se inscrever a monogamia na lei não seria impopular. Ou seja, direitos básicos como a igualdade e o respeito pela dignidade humana são “referendados”!!! Na prática, o que se fez foi perguntar a um grupo de indivíduos o que é que eles achavam de dar direitos iguais às mulheres, quando o princípio da igualdade está inscrito nos documentos fundacionais da nossa república.

Assim foi, entre outros, com a Lei contra a violência doméstica em 2009, com a revisão do Código Penal em 2014 e com a Lei contra as uniões prematuras em 2019.

Este procedimento está todo incorrecto, pois direitos humanos básicos como a protecção da integridade física, da dignidade e da vida de mulheres e crianças são totalmente inegociáveis. Mas não só, também as ditas “consultas” são na maioria das vezes manipulações grosseiras, tendentes a legitimar as posições retrógradas e ultraconservadoras de alguns/algumas legisladores/as. Por exemplo, as pessoas abrangidas não constituem uma amostra nem quantitativa nem qualitativa da população moçambicana, e as perguntas colocadas são muitas vezes tendenciosas, para levar as/os participantes a concordarem com as posições defendidas por quem encabeça o processo.

Por isso, quando as pessoas no poder falam em “respeitar consensos”, devemos ter claro que usam essa justificativa para legitimar que não estejam a “respeitar direitos”. Daí a deriva autoritária. Daí a prova de que mais do que nunca temos que defender a nossa jovem república, protegendo-a de quem a quer reinventar, mas numa versão autoritária e onde os direitos humanos sejam “faz-de-conta”, para mostrar ao mundo e para ficar bem na fotografia.

Governar com democracia é respeitar os direitos humanos e princípios básicos como a igualdade e o respeito por todas as pessoas, independentemente das suas diferenças. E quando sectores retrógrados tentam impedir a aplicação de leis ou de políticas públicas desenhadas de acordo com os valores da república, há o dever de os educar e sensibilizar, para que conjuntamente possamos alcançar os nossos ideais civilizacionais.

E não nos enganemos. Atacar hoje o direito à informação sexual de adolescentes e jovens nas escolas não é inocente nem ingénuo. É a consolidação de um procedimento que nos poderá levar amanhã a dizer que os direitos humanos estão suspensos, pois o consenso é de que eles são desnecessários. E talvez até perigosos.

12 de Fevereiro de 2022

Maria José Arthur

5 comentários a “A deriva autoritária da governação por consenso”

  1. Danielle Huillet diz:

    Concordo sobre a questão do tespeito dos direitos humanos, do direito à informação e que não se governa por consensos. No entanto, em todos os debates a que tive acesso, não vi nasa sobre o conteúdo do texto sobre homosexualidade. Nesse texto, apresentam a homosexualidade como uma fase de transição que atravessam a maioria dos adolescentes, e que pode no futuro evoluir duma maneira ou de outra. Não me parece que seja correcto. Por outro lado, pode assustar os adolescentes em vez de levá-los a aceitar toda a forma de orientação sexual. Gostaria de ver mais debates sobre o conteúdo do texto.
    Por outro lado gostava de saber cpmo foram formados os professores para abordarem essas questões. Conhecendo a fraca formação dos nissis professores, imagino que muitos se limitarão a reproduzir o texto, sem nenh7m debate com os alunos. Será que muitos deles não deixarão transparecer a homofobia de que a sociedade moçambicana está impregnada?
    Gostaria de ver essas questões debatidas!

  2. Rita Couto diz:

    Muito triste esta situação! O que podemos fzr como cidadãos/sociedade civil para alertar a gravidade desta situação? Algum baixo assinado?

  3. Maria José Arthur diz:

    Danielle, olá. Bom “ouvir-te”. Sobre a questão, na realidade eu nem conheço o tal livro para ter uma opinião. Simplesmente reagi ao facto de dizerem que é consenso dos pais, então tiram. Acho que o Ministério tem todo o direito e a competência para alterar os seus manuais, com base numa crítica séria e reflexão dos profissionais da área.
    Para mim a questão é que é inaceitável dizer que governamos por consenso, porque essa é a forma como têm combatido todas as tentativas de fazer passar mudanças legais e políticas públicas mais progressistas. Beijinhos

  4. Stefano Marmorato diz:

    O comentário acerca da governação por consenso é muito certo, visto que a maioria das pessoas (sobretudo quando provocada por mentiras vergonhosas de profissionais licenciados – tipo “como psicologo vi muitos casos de lesões genitais ou vazamento do esperma por causa da masturbação”, uma idiotice sem fundamento ou evidência que diziam os padres mais rígidos até à primeira metade do século passado) não aguenta com conversa e informação sóbria sobre as coisas da vida que nao batem bem com a tradição… [A proposito de tradição, então força com as porradas às namoradas e esposas, não devem faltar para não desapontar os velhos da família!] Todavia, como outros tem realçado, infelizmente o texto tem boas intenções mas péssimas expressões, pouco fundamento científico/prático quando fala da “amizade homossexual” e do facto que os adolescentes podem nao superar a fase infantil etc. Faz confusão e seria melhor rever a matéria, dedicar MAIS espaço a tudo isto, melhor se completamente separado, por um lado à masturbação (individual ou recíproca, grandissimo instrumento de crescimento sexual seguro dos adolescentes) e, por outro, à homossexualidade, bem como formar os professores sobre as ENORMES diferenças entre genero à nascença, identidade de gênero, orientação sexual, diferença entre tolerar as pessoas LGBTQI+ (como se fosse uma doença, ou uma escolha racional) e respeitar estas pessoas como iguais, nao doentes, simplesmente com natureza diferente da maioria estatística.

  5. Alvaro Carmo Vaz diz:

    Concordo com o que diz Maria José Arthur, o “consenos” é uma capa usada para negar direitos fundamentais, além de ser a negação do papel da escola. Pode ser que o texto do manual devesse ser melhorado mas o simples “rasgar a página” como decidiu o MINEDH é simplesmente imbecil. Também não me parece que a maior parte dos estudantes da 7.ª classe tenha 12 anos. Não disponho de estatísticas mas a impressão que tenho é que andarão mais pelos 13 a 15 anos, idades onde a educação sexual é mais do que necessária.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisa

Novos livros

Cabo Delgado:

Narrativas e práticas sobre direitos humanos

capa do livro

Mulher e democracia: indo além das quotas

capa do livro Concurso de Leitura

Silenciando a discriminação

Capa do livro  

Novidades

Comemorando o Dia Internacional da MulherComemorando o Dia Internacional da Mulher

Covid-19: as 25 preocupações mais comuns das mulheres

16 dias de Activismo Contra a Violência de Género 2020

Crianças e Covid-19: jogos para brincar com as crianças

 

Chega! - Junt@s Podemos Acabar com a Violência contra Mulheres e Raparigas

Convite para campanha contra a violência sexual

Campanha UDHINDO:

setacinza Moatize: Sociedade Civil lança campanha pelos direitos humanos e meio ambiente

setacinza Manifesto da Campanha

setacinza Comunicado de Imprensa


A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores
Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

Clique aqui para ler os artigos publicados em "Outras Vozes" (entre 2002 e 2015).
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique