WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são
da autoria do CDFF 

Eventos

Mês da mulher 2020:

Debate, workshop, feira, música, desporto, cinema, exposição, poesia, teatro, dança e muito mais

Programa do Mês da Mulher 2020

Campeonato de futebol:

“Unidos Contra a Violência Sexual”

Vamos falar de aborto!

(mesa redonda)

Mulheres Jovens sob Ataque (debate)

V Conferência Nacional da Rapariga

Marcha pela liberdade de expressão

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para descarregar a brochura (em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

 

Breves

Organizações da Sociedade Civil são formadas em Advocacia na Província da Zambézia

30
Set
2020

Organizações da sociedade civil parceiras do projecto “Seu Futuro, Sua Escolha” beneficiaram-se de uma formação em advocacia para defesa da Saúde Sexual e Direitos Reprodutivos (SSDR) de mulheres, adolescentes e jovens nos distritos de Milange e Mocuba, na província da Zambézia. O evento teve lugar, respectivamente, nos dias 15 a 17 e 21 a 23 de Setembro do ano em curso, num programa financiado pela Global Affairs Canada através da Oxfam em Moçambique. Na ocasião as organizações expressaram a sua indignação em relação à situação da SSDR naquela província, através de um comunicado publicado no jornal Diário da Zambézia. Leia a seguir o comunicado.

>

Comunicado de Imprensa

Pela defesa dos Direitos Sexuais e Saúde Reprodutiva
das Mulheres e Adolescentes, das/dos Jovens

 

Nós, organizações da sociedade civil parceiras do projecto “Seu Futuro, Sua Escolha”, que está a ser implementado pela WLSA Moçambique, NAFEZA e Pathfinder, na província Zambézia, nos distritos de Milange e Mocuba, com financiamento da Global Affairs Canada através da Oxfam em Moçambique, em parceria com AMUDEM, AMORA,THAMALELA, AMER, PGB, ARCUMI, RCT, Namuali, AMUDZA, Parlamento Juvenil, AMUDHF, RCM, estando conscientes que:

  1. Milhares de mulheres e adolescentes e Jovens foram ou são submetidos a situações de uniões ou “casamentos prematuros e que estes constituem uma grave violação dos seus direitos humanos, tendo em atenção que o estado moçambicano é signatário de tratados internacionais e específicos sobre a protecção dos direitos das mulheres (CEDAW1) e crianças2;

Foto de família com as organizações da sociedade civil de Milange

  1. A falta de informação dos cuidados sobre direitos sexuais e saúde reprodutiva, por levarem ao aumento de casos de ITS’s, gravidezes precoces, mortalidade materna, fístulas obstétricas, desistências escolar, constituem uma negação dos seus direitos;
  2. Pouco valor é atribuído à educação de raparigas em detrimento dos rapazes, devido a forte influência de factores culturais prevalecentes nas famílias que fazem com que as famílias privilegiem mais os rapazes, pois, existe a percepção generalizada de que o lugar das mulheres é em casa e que elas adquirem status somente com o casamento;
  3. A gravidez na adolescência é alta porque as raparigas não têm poder para utilizar métodos contraceptivos, incluindo preservativos, devido à falta de habilidades para a vida e a normas culturais negativas;
  4. O medo do estigma imposto pela comunidade e prováveis ​​percepções negativas por parte de profissionais de saúde em relação à realização do aborto legal e seguro tem levado a que mulheres e raparigas optem por métodos tradicionais e menos aconselháveis como forma de salvar suas vidas, o que tem efeitos no aumento de casos de mortalidade materna;

Foto de família com as organizações da sociedade civil de Mocuba

  1. A Violência Doméstica é comum e raramente denunciada e isto deve-se, por um lado, ao peso das normas sociais que obrigam as mulheres a aceitarem essa forma de violência como normal, como parte da vida entre casais, mas que na realidade representa uma forma de dominação e de controlo do corpo das mulheres pelos homens, que garante a manutenção das desigualdades sociais de género. E por outro lado, devido as fragilidades existentes nos serviços de atendimento as vítimas deste crime (unidades sanitárias, polícia, tribunais, estruturas comunitárias, etc);
  2. O planeamento familiar embora sendo um direito da mulher e do homem, este é percebido como fazendo sentido somente quando o parceiro consente, mesmo tendo-se a consciência que a gravidez e suas consequências recaem directamente sobre a vida das mulheres;
  3. As mulheres solteiras que optam em procurar os serviços de aconselhamento ou que usam métodos contraceptivos são estigmatizadas ou vistas como “desviadasˮ, apesar de estarem a exercer o seu direito de decidir sobre o seu corpo ou protegerem-se de ITS’s;
  4. A educação sexual de adolescentes e jovens é percebida como tabu, o que aumenta o nível de desinformação e exposição à práticas sexuais vulneráveis e abusivas dos seus direitos, como assédio sexual e exploração sexual;
  5. Que sem a participação do Estado, o exercício destes direitos estará a priori comprometido a todos os níveis;

Momentos do comunicado de Imprensa em Quelimane: WLSA Moçambique, NAFEZA e Pathfinder

  1. Os objectivos de desenvolvimento só serão plenamente atingidos se se respeitarem os direitos sexuais e saúde reprodutiva das mulheres, adolescentes e das/dos Jovens, por serem determinantes importantes da qualidade de vida de população de qualquer país (veja os indicadores de desenvolvimento humano).

Pretendemos desenvolver nos próximos três anos um conjunto de acções de advocacia nos distritos de Mocuba e Milange com vista a sensibilizar a sociedade sobre a importância de se proteger e promover dos direitos sexuais e saúde reprodutiva das mulheres e adolescentes e das/dos Jovens, como condição para o pleno exercício dos seus direitos de cidadania.

Quelimane,
Aos 24 de Setembro de 2020

Notas:

  1. CEDAW – Convenção para a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra Mulheres.
  2. Moçambique aprovou recentemente a Lei de Prevenção e Combate às Uniões Prematuras, Lei Lei n°19/2019, de 22 de Outubro.
  • Escute a reportagem que expressa as reacções dos participantes da formação em advocacia no distrito de Milange, Província da Zambézia, realizada pela Rádio Comunitária Tumbine Milange

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisa

Novidades

Postal da WLSA desejando feliz 2020 Paz, justiça e igualdade! 16 dias de Activismo Contra a Violência do Género 2019

16 dias de Activismo Contra a Violência de Género 2019

Relatório sobre as eleições

Campanha CEDAW

 

Novos livros

Mulher e democracia: indo além das quotas

capa do livro

Silenciando a discriminação

Capa do livro

Corporações económicas e expropriação

Capa do livro  

Chega! - Junt@s Podemos Acabar com a Violência contra Mulheres e Raparigas

Convite para campanha contra a violência sexual

Campanha UDHINDO:

setacinza Moatize: Sociedade Civil lança campanha pelos direitos humanos e meio ambiente

setacinza Manifesto da Campanha

setacinza Comunicado de Imprensa


A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores
Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos publicados em "Outras Vozes" (entre 2002 e 2015).
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique