WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são da autoria do CDFF

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Conferência Nacional sobre Violência de Género

28 e 29 de Novembro 2012

cartaz_conf_small

setacinzaApresentações e debates

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para ler ou descarregar a brochura (nova edição; em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq setacinzaConheça o Protocolo da SADC sobre Género e Desenvolvimento, 2008

Breves

“Casamentos” prematuros: direito, Estado e práticas culturais

06
Jul
2015

A autora deste texto reflecte sobre a necessidade de questionar a abordagem de combate aos “casamentos” prematuros que, embora sendo violações da legislação e políticas públicas adoptadas pelo país, estão resguardados pelo ambiente cultural.

A ordem jurídica dos Estados muitas vezes enfrenta limitações na sua execução, decorrente do facto das suas normas padronizadoras serem imbuídas de princípios gerais, abstractos, singelos demais para disciplinar acções crescentemente complexas.

Esta ordem, que sobretudo os agentes da administração da justiça devem aplicar, não consegue dar conta de maneira lógica de uma pluralidade de situações sociais, económicas, políticas e culturais cada vez mais heterogéneas. Organizada sob a forma de um código rigidamente binário (permitido/proibido, legal/ilegal e constitucional/inconstitucional) elas revelam-se ineficazes na regulamentação e tratamento de casos muito específicos e singulares (Faria: 1997).

Particularmente em relação à cultura, há uma postura de inacção, uma hesitação em tomar providências com vista a pôr termo a situações de clara violação dos direitos humanos das mulheres e crianças, não obstante os compromissos assumidos internacionalmente.

Referindo-nos às crianças, os chamados “casamentos prematuros”, que assume grandes proporções em Moçambique, ferem directamente os instrumentos legais regionais e internacionais, designadamente a Carta Africana dos Direitos e Bem-Estar da Criança (ratificada por Moçambique em 1998). Este dispositivo legal, reconhecendo a existência de práticas culturais atentatórias da dignidade das crianças, insta os Estados Partes a adoptar medidas adequadas por forma a eliminar todas as práticas sociais e culturais que afectem o bem-estar, a dignidade, o crescimento normal e o desenvolvimento da criança (art. 21).

Em algumas províncias onde realizámos formações a oficiais da polícia ligados aos Gabinetes de Atendimento à Mulher e Criança Vítimas de Violência e em entrevistas a magistrados judiciais e do ministério público, ficam patentes posicionamentos que manifestam a conflitualidade entre a garantia de direito a certas formas culturais prevalecentes nos locais e a garantia a direitos humanos pessoais essenciais, com enfoque especial nos direitos das crianças.

Ao interrogarmo-nos sobre o combate aos casamentos prematuros há uma abordagem sectorial homogénea sobre o significado que é conferido a esta prática. Assim, é comum ouvirmos expressões como: “Ah, isso é hábito aqui desta zona, pouco podemos fazer contra pois os pais e algumas seitas religiosas estão directamente envolvidos”.

Deste modo, estas práticas estão resguardadas pelo seu ambiente cultural. Todavia, elas não são apenas violações da legislação e políticas públicas adoptadas pelo país como também a sua manifestação mais ignóbil.

Poderíamos pensar que se qualquer pessoa dentro dessas comunidades declarar claramente a sua intenção de não ser submetida a certos tratamentos da sua cultura que resultem em clara violação de direitos humanos, tem direito a ser atendida com base em dispositivos como até a própria Constituição da República, que garante direitos a todos os cidadãos e cidadãs independentemente da sua origem. Porém, como esperar que crianças ou qualquer pessoa profundamente inserida no seu contexto cultural manifeste tal liberdade de pensamento, se uma das principais características dessa cultura é inibir-lhe tal capacidade de manifestação?

Torna-se assim necessário garantir-lhes essa capacidade. As crianças devem ser tidas como sujeitos de direitos. Se as resoluções se concentrassem nas meninas e não somente nos seus pais ou tutores, que podem alienar-lhes direitos a seu favor; se às mesmas fosse dada a possibilidade de escolher, por livre e espontânea vontade (fora do alcance das pressões de seu grupo) entre o estudar e casar; se todos se posicionassem favoráveis a uma acção mais directa, práticas torpes como esta já teriam sido reduzidas mesmo contra a feroz resistência sócio-cultural local.

por: Ana Maria Loforte

Referência:

Faria, José Eduardo, 1997, Direitos humanos e globalização econômica: Notas para uma discussão. In: Estudos Avançados, vol.11, 30, pp. 43-53.

 

2 comentários a ““Casamentos” prematuros: direito, Estado e práticas culturais”

  1. YANEIXIS diz:

    O combate contra os casamentos prematuros é uma obrigação de todos: juntos podemos formar um mundo melhor.

  2. Mano Go diz:

    A legislação precisa ser mais contundente contra casos comprovados… pais das meninas e supostos maridos devem ser exemplarmente punidos….

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

Novos livros

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro

Eleições Autárquicas 2013

Capa do livro  

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique