WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são
da autoria do CDFF 

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para descarregar a brochura (em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq

Breves

Violência contra a pessoa idosa: um atentado contra os direitos humanos

Kokwana
30
Set
2015

Por ocasião do Dia Internacional do Idoso, que se comemora a 1 de Outubro, Terezinha da Silva opina sobre a violência contra a pessoa idosa, um fenómeno que contribui para a sua exclusão.

Actualmente a maioria das culturas tende a relegar as pessoas idosas a favor da juventude e da população adulta.

A violência contra a pessoa idosa, nas suas diversas manifestações, deve merecer uma atenção especial por constituir um dos maiores obstáculos para a plena realização de um estado democrático: possibilitar a igualdade de direitos.

Definida como um fenómeno social abrangente, ela actua de forma silenciosa, e das poucas vezes que falamos especificamente sobre a violência contra a pessoa idosa, referimo-nos apenas à ponta de um iceberg. Há violências invisíveis contra as pessoas idosas em todo o nosso país, que se manifestam de várias formas.

Julgamos fundamental referir sobre a violência contra as pessoas idosas, em primeiro lugar porque a violência é uma violação de direito humano fundamental e este grupo populacional merece ser tratado com dignidade e respeito; em segundo lugar porque os vários tipos e expressões de violência constituem práticas sociais de violação de direitos que estão consagrados na Constituição da República moçambicana, na política nacional e na Lei nº 3/2014, de 5 de Fevereiro, referente à Promoção e Protecção dos Direitos da Pessoa Idosa; em terceiro lugar, porque as várias expressões de violência podem ser prevenidas e reduzidas; e por fim, porque as acções que levam à superação da violência e contribuem para que as pessoas idosas usufruam dos seus direitos, estão de acordo com a ideia de ‘uma sociedade para todas as idades’, conforme ressalta as Nações Unidas na sua Declaração Política sobre o Envelhecimento (II Assembleia Mundial sobre o Envelhecimento, Madrid, 2002).

Em Moçambique, as violências contra as pessoas idosas expressam-se nas mais diversas formas (Silva, 2001):

  • Abuso emocional, verbal e psicológico: actos que causam intimidação, sentimentos depressivos, humilhação, agressão verbal, insultos, negligência, falta de segurança, isolamento;
  • Acusações de feitiçaria que podem ser acompanhadas por agressão física e normalmente expulsão de casa e pode levar ao assassinato, principalmente das mulheres idosas. Os casos canalizados e tratados nos tribunais são aqueles que assumem contornos criminais. Algumas vezes os tribunais remetem os casos de acusação de feitiçaria (sem morte) aos tribunais comunitários ou à AMETRAMO (Associação dos Médicos Tradicionais);
  • Violação dos direitos básicos: falta de identificação civil, falta de comida, falta de renda, não prioridade nas filas de espera para atendimento, falta de cuidados de saúde, falta de implementação pelas instituições dos benefícios sociais a que têm direito;
  • Violência física: agressão física e roubos;
  • Abuso material e financeiro: uso abusivo dos bens das pessoas idosas e expulsão de casa;
  • Violência sexual.

Analisando a situação numa perspectiva de género, um estudo (Silva, 2001) revelou-nos como as mulheres são mais frequentemente abusadas que os homens idosos, relativamente às acusações de feitiçaria (61% versus 28%); abuso psicológico e emocional (68% versus 43%); e violação dos direitos básicos (52% versus 37%). As mulheres reafirmaram que têm muitas dificuldades em reclamar os seus direitos devido à falta de informação e de meios de defesa. O mesmo estudo revelou que quase metade das violências tiveram lugar no espaço doméstico e foram cometidos por membros de família, vizinhos e parentes colaterais.

A implementação eficaz e eficiente da Lei recentemente aprovada para a defesa e protecção das pessoas idosas na qual a acusação de feitiçaria é severamente punida, poderá melhorar a qualidade de vida deste grupo.

A prevenção deverá começar pela implementação de acções pelos próprios idosos, pelos familiares, pelos profissionais de todos os ramos, pelos meios de comunicação social, para uma cultura de respeito ao envelhecimento como uma fase do ciclo de vida.

É chegado o momento de denunciar os casos de violência e abuso. Todos e todas nós devemos actuar, cada um/uma na sua área, para um tratamento multidisciplinar dessa tragédia.

Terezinha da Silva

Referência:

Silva, Terezinha, 2001, The human rights of older persons. Universidade de Harvard, Carr Centre for Human Rights Policy, Boston.

 

Um comentário a “Violência contra a pessoa idosa: um atentado contra os direitos humanos”

  1. Mussa J. Abdala diz:

    De facto sou da opniao que o envelhecimento não compra em nenhum estabelecimento comercial, quem foi nascido espera passar por esta fase.pare e reflicta se forem a fazer para te ias gostar?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

Novos livros

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro

Eleições Autárquicas 2013

Capa do livro  

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique