WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são
da autoria do CDFF 

Eventos

16 Dias de Activismo Contra a Violência de Género 2020:

Mês da mulher 2020:

Debate, workshop, feira, música, desporto, cinema, exposição, poesia, teatro, dança e muito mais

Programa do Mês da Mulher 2020

Campeonato de futebol:

“Unidos Contra a Violência Sexual”

Vamos falar de aborto!

(mesa redonda)

Mulheres Jovens sob Ataque (debate)

V Conferência Nacional da Rapariga

Marcha pela liberdade de expressão

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para descarregar a brochura (em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

 

Revista de Imprensa

Lista completa: 3348 recortes.

Empreendedorismo em Tete: Incubadoras impulsionam mulher jovem ao trabalho

19/11/2021 - - PDF

Autor: Sitoe, Dalton

Cerca de 35 % de mais de 130 beneficiários do projecto de incubadoras de negócio na província de Tete são jovens mulheres e as mesmas testemunham transformação da sua vida empresarial. Trata -se de oficinas empresariais que estão a ser instaladas em todo o país, com o intuito de apoiar jovens que pretendem apostar no empreendedorismo ou auto – emprego.

Mais de 150 raparigas desistiram do ensino este ano

16/11/2021 - - PDF

Na província de Nampula, a organização não – governamental, denominada OPHENTA (AMAR), promoveu um seminário de capacitação de raparigas e mulheres adultas sobre direitos humanos que visa, sobretudo, despertar este segmento sobre o respeito dos seus direitos e consciencialização sobre abusos sexuais, violência doméstica e outros. Nampula registou, desde Janeiro 156 desistências de raparigas no ensino, contra 141 notificados em igual período do ano passado. Entre os factores avança -se a pobreza, casamentos prematuros e hábitos socioculturais.

Homem engravida enteada de 14 anos

16/11/2021 - - PDF

Na província de Maputo, no bairro Nkobe, município da Matola, a Polícia da República de Moçambique (PRM), deteve um homem de 31 anos que violou sexualmente e engravidou a enteada, de 14 anos. Segundo Carmínia Leite, porta -voz no comando da província de Maputo, a denúncia foi feita pelo pai da vítima, tendo apurado que a adolescente foi vítima de abuso sexual várias vezes.

Jovens capacitados no combate a uniões forçadas

13/11/2021 - - PDF

A Associação Mulher, Lei e Desenvolvimento (MULEIDE), em parceria com o Governo, formaram recentemente, em Maputo, mais de 30 activistas de várias organizações da sociedade civil, em matérias de direitos à saúde sexual e reprodutiva da rapariga, bem de promoção da Lei contra as Uniões Prematuras.

Covid -19 retardou luta contra uniões prematuras

12/11/2021 - - PDF

Os dois anos após a aprovação da Lei de Combate às uniões prematuras, um instrumento legal que vem punir severamente os autores, instigadores, cúmplices e encobridores deste mal, a situação continua preocupante. O cenário agudizou – se com a eclosão da pandemia da Covid -19 que desestruturou o tecido social e económico de muitas famílias moçambicanas, principalmente os grupos mais vulneráveis como é o caso de famílias de baixa renda. Esta constatação é da Coligação para a Eliminação dos Casamentos Prematuros (CECAP) que, no terreno, apurou que, a pandemia da Covid -19 impôs a necessidade do confinamento de muitas raparigas que, em virtude das medidas restritivas adoptadas pelo governo, interromperam as aula, ficando em casa com pessoas mais velhas, em regime fechado, tornando -as vulneráveis a este mal.

O alerta de especialistas: Gravidez precoce agrava miséria

12/11/2021 - - PDF

Autor: Chemane, Eunice

A gravidez precoce constitui um problema crónico em Moçambique, e tem vindo a agravar cada vez mais a situação de pobreza das raparigas, sobretudo das famílias mais carenciadas. Dados do Ministério da Saúde (MISAU) indicam que no último ano foram atendidas, na primeira consulta pré – natal, pouco mais de 1,7 milhões de mulheres grávidas em todo o país, dos quais cerca de 400 mil, o correspondente a 22,7 % eram mulheres com idade inferior a 19 anos e pouco mais de 373 mil tinham entre 15 e 19 anos e 16.779 tinham entre 10 e 14 anos. destas estatísticas, destacam – se as províncias de Nampula, com 22,3%, e da Zambézia, com 19,1%.

Líderes comunitários abraçam combate a uniões prematuras

12/11/2021 - - PDF

Na província de Nampula, um número de líderes comunitários participou num seminário de capacitação sobre prevenção de uniões prematuras, promoção do registo de nascimento, nutrição e saneamento do meio. Estes mostraram disponibilidade em passar a mobilizar e sensibilizar as comunidades sobre a necessidade de combater as uniões prematuras porque comprometem o futuro de muitas raparigas ao interromperem os seus estudos.

Trabalhadores de sexo em Ressano: O drama, os medos e episódios de violência

12/11/2021 - - PDF

Autor: Tene, Ana Rita

O quilómetro quatro (KM4), no posto administrativo de Ressano Garcia, distrito da Moamba, tornou -se o ponto de encontro de dezenas de jovens e mulheres que procuram o sustento das suas famílias com o trabalho sexual. São mais de 70 mulheres trabalhadoras de sexo oriundos do Maputo que lutam, noite após noite, para conseguir algum dinheiro para pagar despesas básicas e evitar viver na rua. Cada uma tem a sua história a contar sobre como entrou nesta actividade. Independentemente das razões, elas vivem hoje episódios de violência, agressões e estigma para que os seus filhos possam estudar, formar -se e não seguir o mesmo caminho.

Revista de Imprensa

Pesquisa

Fontes

Mulher e Lei na África Austral - Moçambique