WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são
da autoria do CDFF 

Eventos

16 Dias de Activismo Contra a Violência de Género 2020:

Mês da mulher 2020:

Debate, workshop, feira, música, desporto, cinema, exposição, poesia, teatro, dança e muito mais

Programa do Mês da Mulher 2020

Campeonato de futebol:

“Unidos Contra a Violência Sexual”

Vamos falar de aborto!

(mesa redonda)

Mulheres Jovens sob Ataque (debate)

V Conferência Nacional da Rapariga

Marcha pela liberdade de expressão

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para descarregar a brochura (em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

 

Revista de Imprensa

Lista completa: 3069 recortes.

Violação sexual de menores: Quando a casa não é segura para raparigas!

14/05/2021 - - PDF

Autor: Muchanga,Evelina

Segundo o Relatório de Indicadores de Básicos do Inquérito sobre Violência Contra a Criança em Moçambique (InVIC,2019) do Instituto Nacional de Saúde (INS) lançado recentemente em Maputo, refere que a violência sexual de crianças, em particular da rapariga, continua sendo uma realidade a julgar pelas evidências científicas que mostram uma em cada dez meninas sofrendo desta prática na nossa sociedade. Refere ainda que a proporção significativa de meninas 14,3%, entre os 18 e 24 anos, respondeu ter sido vítima de diversas formas de violência sexual antes de atingir os 18 anos, contra 8,4% de rapazes. Das inquiridas 6,6% afirmaram ter sido alvo de toque sexual indesejado, 6,1 da tentativa de sexo forçado, 5,6 vítimas de sexo pressionado ou coagido e 3,5% vítimas de sexo fisicamente forçado.

Mais hospitais com maternidade

13/05/2021 - - PDF

Autor: Carlos,Bernardo

Segundo o conselho executivo provincial da província de Tete, a construção de unidades sanitárias com serviço de maternidade, de modo a assegurar a frequência das mulheres grávidas na assistência de partos institucionais e a contínua melhoria dos cuidados no parto e no pós – parto para reduzir a mortalidade materna, neonatal e perinatal constitui um desafio naquele província. Para ultrapassar este desafio serão acrescidos os serviços nas unidades sanitárias, onde não estão a funcionar, incluindo os de saúde sexual e reprodutiva, com especial atenção para adolescentes e jovens.

 

Zainabo Mussa: Um exemplo de empreendedorismo feminino

12/05/2021 - - PDF

Existem pessoas que se destacam no desenvolvimento de uma cidade, mesmo sem que muitos se dêem conta. Cidadãos que no seu dia – a – dia lutam pela vida e que indirectamente dão seu contributo para o quotidiano de uma sociedade em evolução. É o exemplo de Zeinabo Musa, de 35 anos de idade, residente na Unidade Comunal de Elipisse, Bairro de Muahivire, na cidade de Nampula, ela se destaca pelo seu empreendedorismo persistente, porque a sua actividade é desenvolvida no meio de adversidades que servem de fortalecimento diário.

Menor acusa padrasto de violação sexual

11/05/2021 - - PDF

No bairro de Namicopo, cidade de Nampula, um indivíduo identificado por J. Momade de 70 anos de idade, é indiciado de crime de violação sexual pela própria enteada, C. Lino, menor de idade, o autor aproveitava a da ausência da sua mãe e ameaçando – a que caso a denunciasse também seria detida.

HRW pede leis que proíbam castigos corporais contra crianças

11/05/2021 - - PDF

A Humana Rights Watch (HRW) pediu aos governos de países do Médio Oriente e Norte de África que proíbam a “disciplina violenta” contra crianças para as proteger de castigos corporais numa região que carece de leis desse tipo. Mais de 90 por cento das crianças são submetidas a castigos físicos pelo menos uma vez por mês, particularmente no Egipto, Marrocos ou Tunísia, enquanto a taxa mais baixa da região 50 por cento é registada no Qatar, destacou a HRW em relatório.

Preocupante situação da violência contra criança

11/05/2021 - - PDF

Maputo – Lançou -se recentemente Relatório de indicadores básicos do Inquérito sobre a Violência contra a Criança ( INVIC, 2019), revela que três em cada dez raparigas e quatro em cada dez rapazes sofrem de algum tipo de violência no país, praticada na maioria dos casos por familiares ou pessoas conhecidas, revela ainda que o HIV e as uniões prematuras continuam a ser preocupantes, tendo em conta que 7,6 por cento de raparigas e 2,3 de rapazes entre 18 e 24 anos de idade testaram positivo para o HIV, para além de que 21 por cento de meninas dos 13 aos 17 anos e 41.1 por cento entre 18 e 24 anos se casaram ou viviam em uniões maritais antes de 18 anos.

Aumentam casos de violação de menores

10/05/2021 - - PDF

A PROCURADORIA da República em Nampula diz ter registado durante o primeiro trimestre do presente ano trinta e oito casos de violação de menores e catorze de uniões prematuras, número que está muito aquém da situação actual. Nampula é uma das regiões que se destaca no país, no que tange à violação de menores e prática de casamentos prematuros.

Parteiras denunciam precárias condições de trabalho

10/05/2021 - - PDF

As parteiras de Nampula lamentam o facto de estarem a trabalhar num ambiente de sobrecargas, em circunstâncias difíceis e precárias, além de auferirem salários baixos, daí que reiteraram o pedido às autoridades governamentais para que invertam o actual cenário.

Revista de Imprensa

Pesquisa

Fontes

Mulher e Lei na África Austral - Moçambique